Revelados detalhes impressionantes nos azulejos de São Luís

São Luís possui o maior aglomerado urbano de azulejos dos séculos XVIII e XIX, em toda a América Latina. Eles decoram faixadas inteiras de prédio coloniais. A combinação com ruas de pedras de cantaria cria um ambiente de saudosismo e nos faz viajar no tempo. Mas você já parou para olhar, bem de pertinho, os detalhes impressos nos azulejos? O professor Lucas Marinho, do curso de Biologia da UFMA, coordenou uma pesquisa que revelou detalhes impressionantes destas peças tão comuns no dia a dia dos maranhenses.

Confira tudo na reportagem produzida pela TV Assembleia do Maranhão

Live mostra a força do tambor de crioula na Capela de São Benedito

A festa do 7º Aniversário da Capela de São Benedito na Praça da Faustina, no Centro Histórico de São Luís, na Praia Grande foi marcada com uma grande celebração ao padroeiro do Tambor de Crioula no Maranhão. A iniciativa da brincante e produtora cultural, Carla Belfort, conhecida como Carla Coreira, foi contemplada com recursos da Lei Federal de Emergência Cultural Aldir Blanc, por meio da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão.
A comemoração deste ano contou com o ritual de batismo de São Bendito que acontece todos os anos, e que teve como padrinhos nesta edição, Maurício Itapary superintende do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Maranhão e Ana Júlia Jansen, funcionária pública federal e integrante do projeto “Mulheres que dão no couro”. A festa contou ainda com a apresentação de onze manifestações culturais, entre elas: As Caixeiras do Divino de São Luís; Tambor de Crioula de Santa Rosa dos Pretos; Tambor de Crioula Mirim Erê de São Benedito; Tambor de Crioula Itapera do Maracanã; Tambor de Crioula de Mestre Leonardo; Tambor de Crioula da Fé em Deus; Maratuque de Upaon Açu; Tambor de Crioula de Mestre Apolônio; Tambor de Crioula de Mestre Antoninho; Tambor de Crioula MaraCrioula; Cacuriá da Basson de Gutinho e Tambor de Crioula União da Baixada.
Neste momento de Pandemia Covid19 se faz necessário uma adaptação aos meios possíveis de encontros e interação social para manter a vitalidade e continuidade das ações com todas as recomendações dos protocolos de proteção a saúde. E para celebrar todos estes anos de trabalho em prol da cultura maranhense será transmitida através de uma LIVE (formato de transmissão de vídeo ao vivo nas plataformas de streaming e mídias sociais), sempre às 20h nos dias 21, 22 e 23 de dezembro pelo canal no Youtube de Carla Coreira. “Esta foi a maneira mais segura que nós encontramos para celebrar o 7º aniversário da Capelinha de São Benedito. Por isso que desta vez fizemos a festa em formato de live para que as pessoas possam participar da festa pelo nosso canal graças aos recursos da Lei Aldir Blanc que possibilitou essa grande comemoração com todos estes grupos folclóricos”, disse Carla Coreira.
Desde 2006, Carla Coreira vem ministrando oficinas em todo o país. Viaja todo ano para o sul e sudeste brasileiro, realizando oficinas de Dança, Toque e Canto de Tambor de Crioula em vários locais; entidades, faculdades e eventos culturais, nas cidades de Curitiba, Rio de Janeiro, Paraty, São Paulo, Sorocaba, Campinas, Belo Horizonte e Porto Alegre, com quem mantém parcerias com diversas redes de coletivos. A dançarina que é uma referência na fomentação do tambor de crioula dentro e fora do estado. Carla Coreira sempre gostou de dançar tambor e sempre acompanhava a mãe em suas apresentações. A paixão foi se fortalecendo ao se tornar uma das coreiras do Tambor de Crioula de Mestre Felipe onde permanece até hoje.

Confira a programação

21/12 às 20h

Ladainha para São Benedito
Toque de Caixa com as Caixeiras do Divino
Batizado de São Bendito com os padrinhos Maurício Itapary e Ana Júlia Jansen
Tambor de Crioula Santa Rosa dos Pretos
Tambor de Crioula Mirim Erê de São Benedito

22/12 às 20h
Tambor de Crioula Itapera do Maracanã
Tambor de Crioula de Mestre Leonardo
Tambor de Crioula da Fé em Deus
Maratuque de Upaon Açu

23/12 às 20h
Tambor de Crioula de Mestre Apolônio
Tambor de Crioula de Mestre Antoninho
Tambor de Crioula MaraCrioula
Cacuriá da Basson de Gutinho
Tambor de Crioula União da Baixada

Atriz da Globo internada com Covid-19 fica em estado grave

Nicette Bruno está internada com Covid-19 e o estado de saúde é preocupante

Em novo boletim divulgado pela Casa de Saúde São José, no Rio, nesta quinta-feira, dia 3, Nicette Bruno permanece em estado grave, após complicações causadas pela Covid-19. A atriz está sedada, intubada e respirando por meio de um ventilador mecânico.

“A paciente Nicette Bruno continua internada na UTI da Casa de Saúde São José. Seu quadro não sofreu grandes alterações e ainda é considerado grave. Ela segue sedada, intubada e respirando através de um ventilador mecânico. Está sob cuidados intensivos com equipe médica assistente e equipe multidisciplinar”, diz a nota.

Nicette, de 87 anos, foi diagnosticada com coronavírus no último domingo, dia 29. O anúncio foi feito pela filha, Beth Goulart, nas redes sociais. Desde então, foi formada uma corrente de orações pela atriz. Todos os dias, às 18h, a família tem se reunido em intenções.

”Mas vamos continuar firmes e fortes nessa corrente de oração pra que ela vença essa batalha. Pra que ela de saia (do hospital) com saúde e totalmente reestabelecida. Minha gratidão profunda pelo carinho e pelas palavras… Ela vai se curar, eu creio.”

CAREIRA DE SUCESSO

Filha da atriz Eleonor Bruno, Nicette foi casada com o ator Paulo Goulart, com quem ela teve três filhos, os atores Beth GoulartBárbara Bruno e Paulo Goulart Filho. Seus trabalhos na televisão incluem Éramos Seis (1977), Bebê a Bordo (1988), Rainha da Sucata (1990), Mulheres de Areia (1993), A Próxima Vítima (1995), Sítio do Picapau Amarelo (2001–04), Alma Gêmea (2005), Sete Pecados (2007), A Vida da Gente (2011), e outras obras televisivas, sendo pioneira da televisão brasileira e uma das referências na história da teledramaturgia do país.[2]

PARADOXOS: a trajetória da democracia brasileira é tema de filme

Para celebrar 30 anos de existência, e lembrar do seu surgimento no contexto da redemocratização e do pioneirismo em estudos de violência e direitos humanos, o Núcleo de Estudos da Violência (NEV) da USP fez na última quinta, dia 8, o lançamento do documentário Paradoxos – 30 anos de Democracia e Direitos Humanos no Brasil. O evento, que pode ser visto no canal do NEV no YouTube, neste link, contou com a participação dos fundadores do NEV Paulo Sérgio Pinheiro e Sergio Adorno, além dos professores Esther Hamburger e Eduardo Morettin, ambos da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP.

O vídeo Paradoxos foi produzido ao longo de três anos, dirigido por Vitor Blotta, vice-diretor do NEV e professor da ECA, em parceria com Fabrício Bonni, da Produtora Unnova, com roteiro que destaca a história e contradições da democracia brasileira a partir dos olhares e pesquisas do núcleo.

“Acredito que as análises do filme conseguem explicar os caminhos que nossa democracia estava tomando e que levaram ao que temos”, destaca Blotta. Para ele, “as democracias sociais ou mesmo as liberais do mundo têm sido deterioradas por governos que foram eleitos, mas que operam minando as instituições e as bases do Estado de direito e da democracia”.

DESAFIOS NA PRODUÇÃO

Para a produção do documentário, um dos maiores desafios, de acordo com o produtor, foi ilustrar todas as fases do período democrático. Por isso, a fase de pesquisa de imagens e decupagem foi extensa, com busca em acervos do NEV e materiais de emissoras de tevê e jornais. A qualidade de alguns arquivos e o tratamento adequado para que ao produto final desse certo foram outro desafio da produção. “Conseguimos trazer todo um paralelo histórico de imagens, colocando o NEV como espectador ativo desses 30 anos de democracia e expondo todos os enormes desafios desse período de transição democrática e que persistem até hoje”, explica o produtor Fabrício Bonni.

Sobre a ideia do nome e da arte do documentário, Blotta diz que elas sintetizam as pesquisas do NEV ao longo das últimas décadas: “Como muita coisa da história e das características da formação do Brasil são frutos de grandes paradoxos e contradições, como colônia e genocídio indígena, império e independência, república e escravização de povos negros, ditadura e modernização, a redemocratização brasileira tem sido marcada nas três últimas décadas por três grandes paradoxos ou tensões, profundamente estudadas pelo NEV, e que impedem a consolidação do estado de direito, dos direitos humanos e da democracia. Democracia e violência, direitos humanos e segurança pública, e confiança nas leis e desobediência”.

ASSISTA AO FILME

Confira a entrevista completa com os diretores neste link.

O documentário Paradoxos está disponível no canal do NEV no YouTube:
https://www.youtube.com/watch?v=Wu2a7exfkus

Com informações do NEV

Inacreditável. Saiba qual o alimento mais consumido no país

O café é preferência nacional, segunfo pesquisa do IBGE

O café foi o alimento consumido pelos brasileiros com mais frequência (78,1% da população) entre junho de 2017 e julho de 2018, tanto por homens (77,9%), quanto por mulheres (78,4%). Em seguida, aparecem dois produtos da dieta tradicional do país. Um deles é o arroz, com 76,1% de frequência de consumo, acompanhado pelo feijão, com total de 60%. O alimento menos consumido com frequência pelos brasileiros no período pesquisado foi o ovo, com total de 13,9%.

As informações constam da Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018: Análise do Consumo Alimentar Pessoal no Brasil (POF 2017/2018), divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo foi realizado em parceria com o Ministério da Saúde..

Foram ouvidos no estudo 46.164 moradores de 20.112 domicílios com 10 anos ou mais de idade, que informaram o consumo alimentar para dois dias. A análise evidencia que arroz, feijão e café foram os alimentos mais consumidos por adolescentes e adultos, embora mostrando redução em relação ao primeiro levantamento, em 2008/2009. O feijão caiu de 72,8% para 60% da população e o arroz, de 84% para 76,1%. Entre os idosos, o consumo de café subiu na mesma comparação, de 86,6% para 87,1%. A queda do consumo de arroz foi observada no Sudeste, Sul e Centro-Oeste e foi mais acentuada entre a parcela da população (25%) com maior renda, passando de 79,9% para 67,1%.

FORA DO DOMICÍLIO

A participação da alimentação fora do domicílio destaca a cerveja, consumida por 51% da população, sendo 52,8% homens, e 45,5% mulheres. Bebidas destiladas vêm em seguida, com participação de 44,1% no consumo. Na terceira posição estão salgados fritos ou assados, com 40,1%.

Veja materia completa em Uol Economia