Prefeitura vai monitorar patrimônio de funcionários públicos

Será firmada parceria da Secretaria de Governo e Integridade Pública com a Controladoria Geral do Município de São Paulo

Os bens dos agentes públicos do município, sejam eles comissionados ou efetivos, passarão a ser monitorados. A medida, segundo o secretário de Governo e Integridade Pública do Rio, Marcelo Calero, será implementada até o fim do ano. Depois do pacote de ações de integridade pública — quatro decretos do prefeito Eduardo Paes, publicados nesta segunda-feira no Diário Oficial —, esta será a próxima iniciativa do Programa Carioca de Integridade e Transparência (Rio Integridade), criado pela prefeitura em janeiro.

“Vamos ter um sistema de monitoramento do patrimônio dos agentes públicos. Assim, teremos mais uma forma de a gente monitorar os agentes públicos”, diz Calero.

Para levar adiante à ideia, será firmada uma parceria da Secretaria de Governo e Integridade Pública com a Controladoria Geral do Município de São Paulo. Na capital paulista, já funciona o Sistema de Registro de Bens dos Agentes Públicos (Sispatri), que deverá ser reproduzido no Rio.

“Por meio desse sistema, facilitaremos aos agentes públicos o cumprimento da obrigatoriedade prevista na Lei Federal 8.429, de 1992, de apresentação da declaração de bens e valores que compõem o seu patrimônio. Será um importante mecanismo de análise de evolução patrimonial dos colaboradores da prefeitura, auxiliando no monitoramento de eventuais desvios”, explica Calero.  “Além de reduzirmos o fluxo de papel, também será possível, com maior agilidade e segurança, promovermos monitoramentos preventivos quanto a eventuais sinais de enriquecimento ilícito por parte desses agentes, adotando outras medidas de prevenção conforme cada caso”, completou.

Testes simulados em servidores

Um dos decreto de Paes publicados nesta segunda-feira prevê a aplicação de testes simulados em comissionados e efetivos, diante de situações concretas, para a avaliação do cumprimento de normas e princípios éticos. Não haverã punições a partir de respostas, porque a legislação não permite que a pessoa produza provas contra si mesma. Mas o teste servirá para que a prefeitura possa fazer um gerenciamento de risco. Quem assumir um cargo em comissão, agora, terá também que preencher um Questionário Eletrônico de Integridade (QEI), que será mais detalhado dependendo da função a ser exercita, embora todos tenham que informar seus bens.

MATÉRIA COMPLETA EM extra.globo.com ou clique aqui

PF investiga fraudes de cerca de um milhão de reais no seguro-defeso

Polícia Federal investiga fraudes em Minas Gerais e no Distrito Federal

Fraudes em benefícios do seguro-defeso estão na mira da Operação Retomada da Polícia Federal nesta terça-feira (14). Na ação, cerca de 60 policiais federais cumprem oito mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça Federal em Goiás, Minas Gerais e no Distrito Federal.

As investigações, realizadas em parceria com a Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista do Ministério do Trabalho e Previdência, identificaram uma associação criminosa – com participação de representantes de Colônias de Pescadores – que fraudava requerimentos de seguro-defeso há mais de cinco anos.

“Até o momento já foi identificado o pagamento indevido de 35 benefícios a falsos pescadores, totalizando um prejuízo de cerca de R$ 850 mil, no entanto, a expectativa é de que a fraude possa atingir o valor de R$ 34 milhões e envolver aproximadamente 1,5 mil pessoas”, disse a PF em nota.

A fraude no benefício consistia na utilização de documentos falsos para a concessão de seguro-defeso a falsos pescadores, sendo constatado que alguns beneficiários possuem endereços de residências diferentes dos endereços declarados nos pedidos do seguro, outros recebem outro benefício social, como o bolsa-família, ou têm outra atividade como meio de subsistência, o que é proibido pela lei.

Os envolvidos responderão pelos crimes de estelionato majorado e associação criminosa, com penas que podem variar de três a oito anos de reclusão.

Seguro-defeso

O benefício é pago pelo Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) aos pescadores profissionais artesanais, durante o período de defeso, em que são paralisadas temporariamente as atividades de pesca, em razão da necessidade de preservação de determinadas espécies de peixes.

Fonte: Agência Brasil

Brasileiras caem em golpe e viram escravas sexuais em Londres

Em Londres, as brasileiras eram obrigadas a se prostituirem em até 20 programas por dia

Todos os passos monitorados a distância pelo celular. Uma câmera escondida no quarto e ameaças de envio de vídeos íntimos para familiares. Passaporte, documentos e dinheiro confiscados. Contato com amigos proibido. Uma rotina forçada de sexo com 15 a 20 clientes por dia. Era esse o cotidiano de três brasileiras resgatadas de trabalho análogo à escravidão pela polícia, no noroeste de Londres, em uma complexa investigação que começou em março do ano passado.

O caso chegou a um desfecho no dia 9 de agosto, quando Shana Stanley, uma mulher de 29 anos, e Hussain Edanie, um homem de 31, confessaram crimes de controle de prostituição e organização de viagem com intuito de exploração, envolvendo as três brasileiras e uma vítima inglesa. Eles foram condenados e presos, mas suas penas ainda não foram divulgadas.

Os detalhes sobre o caso foram obtidos com exclusividade pela BBC e ilustram os graves riscos ligados a promessas fáceis de viagens e bolsas de estudos no exterior.  “Me venderam um sonho que virou um pesadelo”, diz hoje uma das brasileiras, que ainda se recupera de uma sequência assustadora de abusos no submundo da capital inglesa.

‘Seu atestado de morte’

As três brasileiras chegaram à Inglaterra em 2020, após receberem uma “bolsa de estudos” para um curso de inglês que duraria algumas semanas. A polícia não deu detalhes sobre como as vítimas foram abordadas.

Pouco depois de desembarcarem, no entanto, elas se tornaram vítimas de um lucrativo mercado de tráfico humano que, segundo a ONU, afeta 2,5 milhões de pessoas todos os anos e movimenta mais de 30 bilhões de dólares.

Tudo começou depois que uma das brasileiras pediu ajuda à polícia, em março do ano passado, após uma discussão com a mulher recém-condenada pela Justiça inglesa.

Durante a briga, a vítima chegou a tentar telefonar para a polícia, mas foi empurrada por Stanley, que em seguida, segundo registros oficiais, a ameaçou: “Você assinou seu próprio atestado de morte.”

Veja matéria completa em Pragmatismo Político ou clique aqui

Não usava máscara, pegou covid, usou Ivermectina e morreu

Caleb não usava máscara e tentou se tratar com ivermectina, vitamina C e Zinco

Caleb Wallace, um homem do Texas que organizava protestos contra as restrições à pandemia morreu de COVID-19 no último sábado (28). Ele tinha apenas 30 anos.

A morte foi anunciada pela esposa do homem, Jessica Wallace, que está grávida do quarto filho do casal. “Caleb faleceu pacificamente”, escreveu ela. “Ele viverá para sempre em nossos corações e mentes.”

Wallace lutou contra o vírus por semanas na UTI, de acordo com o San Angelo Standard-Times. Ele estava “inconsciente, ventilado e fortemente sedado” desde 8 de agosto. Sua esposa disse que ele inicialmente começou a apresentar sintomas em 26 de julho.

Jessica disse ao Standard-Times que seu marido se recusou a fazer o teste de COVID e, em vez disso, recorreu a remédios caseiros não comprovados para combater o vírus, incluindo altas doses de vitamina C, zinco, aspirina e ivermectina — usado para tratar vermes parasitas destinado a animais e que é não aprovado pela FDA.

Ele era tão teimoso”, disse Jessica Wallace. “Ele não queria ver um médico, porque não queria fazer parte das estatísticas com os testes de COVID.”

Caleb Wallace foi um crítico às restrições de combate à pandemia, aparecendo em entrevistas atacando o fechamento de escolas e políticas de máscaras, bem como organizando o “Freedom Rally” em 4 de julho no ano passado para protestar contra as medidas de enfrentamento ao vírus.

Leia matéria completa em Pragmatismo Político ou clique aqui

Estudante é presa se passando por médica. Tinha até crachá

Nathiely da Silva do Nascimento se passava por médica no Miguel Couto e tinha até ‘crachá’

Na sua página no Instagram, na qual tinha 6,5 mil seguidores, Nathiely da Silva do Nascimento, de 20 anos, se apresentava como médica especialista em ortopedia e traumatologia do hospital municipal Miguel Couto, na Gávea, Zona Sul do Rio. Na rede social, mostrava detalhes de uma suposta rotina de médica, com fotos dando plantões, usando jaleco com seu nome e segurando um estetoscópio. No entanto, para a polícia, tudo se trata de uma farsa.

Nathiely, que na realidade é estudante de odontologia, foi presa em flagrante na noite de quinta-feira no Miguel Couto. Ela é suspeita de ter usado um crachá falso para entrar na unidade. No documento, consta o nome da jovem e no verso, a informação de que ela seria estagiária. Segundo os investigadores, a jovem se passava por médica nas redes sociais.

As informações iniciais levantadas pela polícia são de que Nathiely não fazia atendimentos no Miguel Couto e nem era contratada do hospital. No entanto, os investigadores não descartam que ela possa ter atuado como falsa médica em alguma unidade de saúde do Rio.

Nathiely foi abordada quando estava na cantina do hospital. A diretora da unidade de saúde, desconfiada, pediu a identificação da jovem, que exibiu apenas uma carteira digital de estudante de medicina, também falsa. Um policial militar que trabalha na unidade foi acionado e solicitou uma viatura para o local.

Com a jovem, foram encontrados o crachá falso, um jaleco com seu nome, estetoscópio e um carimbo com a identificação de Nathiely como dentista. No crachá, constava a identificação de que a jovem seria especializada em ortopedia e traumatologia.

A jovem, moradora do Complexo da Maré, estuda Odontologia em uma faculdade particular. Em suas redes sociais, Nathiely fazia várias postagens mostrando uma suposta rotina de médica. Ela posava para fotos de jaleco do Hospital Miguel Couto alegando estar de plantão e marcava a localização da unidade de saúde.

“Cirurgia minimamente invasiva. Deu certo”, escreveu ela em um foto que mostra um joelho com dois pontos.

A jovem também fez postagens indicando que estava no Hospital federal dos Servidores, na Saúde, e em uma UPA. “Upinha agora”, escreveu ela.

No Instagram, a estudante também fazia reflexões. “A prática da medicina é uma arte, não um comércio. Um chamado, não um negócio”, escreveu em um post.

Em outra ocasião, na foto de um centro de traumatologia e ortopedia, exaltou a “luta pra entrar na faculdade, se formar e entrar na residência”. Nathiely foi autuada em flagrante na 12a DP (Copacabana) pelo crime de uso de documento falso, que tem pena de 2 a 6 anos de prisão.

MATÉRIA COMPLETA EM JORNAL EXTRA OU CLIQUE AQUI