Carteira perdida cheia de dinheiro é devolvida com tudo ao dono

Recado deixafo em cartão de loteria

Para João Gomes, de 69 anos, a humanidade ainda tem esperança. Depois do que lhe aconteceu no início desta semana, ele reforçou sua crença na honestidade das pessoas e agora quer compartilhar com todos sua experiência. Tendo perdido sua carteira — com o valor do aluguel e das despesas de casa — na sexta-feira, dia 8, suas expectativas de encontrá-la não eram muito altas, mas ele não descansou até conseguir reavê-la, sendo surpreendido por um bilhete escrito num papel de loteria que dizia: “João, achei sua carteira com R$ 1,8 mil, devolvi no caixa 01 com tudo”.

Morador de Guadalupe, na Zona Norte do Rio, João contou que no dia 8 pegou um ônis para a Região dos Lagos a partir do terminal rodoviário de Niterói, na Região Metropolitana, onde passou numa lotéria antes de embarcar. Foi ali onde, sem perceber, deixou cair sua carteira com documentos e a quantia.

Somente após chegar a seu destino, em Saquarema, depois de fazer uma parada em Araruama, João deu falta da carteira e, inicialmente, conta que pensou tê-la perdido no coletivo. Por isso, relatou ter começado sua busca pela empresa de ônibus.

“Fiz contato com a empresa de onibus, a rodoviária, e esperei — disse ele. — Na segunda de manhã (dia 11), acordei bem cedo, fui no guichê da 1001 e não tive resultado. Tive que ir para Araruama, na garagem, não consegui”, relatou.

Ao retornar para o Rio na terça-feira, dia 12, João decidiu refazer seus passos e foi até a lotéria no terminal de ônibus de Niterói para perguntar sobre a carteira perdida. Uma atendente então lhe respondeu, conforme ele narrou, que o item tinha, sim, sido deixado lá por uma pessoa que o havia encontrado.

“A moça tinha me dito que era um rapaz novo que devolveu lá. Ele não se identificou”, contou.

João, servidor público e fotógrafo, agora é só elogios e visa a compartilhar o máximo sua história.

“Foi uma atitude muito elegante. Eu queria agradecer a ele. Nem tudo está perdido. Isso é até um exemplo pra gente, entendeu? Comunicamos numa rede social para as pessoas saberem disso”, destacou.

Quanto à ida à Saquarema, apesar da falta dos documentos e dinheiro, João garantiu ter ficado bem, pois já tinha um lugar para ficar e não precisou naquele momento do conteúdo perdido.

Apresentador da Globo é humilhado, na net, por grupo bolsonarista

Luciano e Angélica sifrem ataques nas redes sociais

Nesta sexta-feira, 15 , após Luciano Huck divulgar ‘panelaço’ contra o governo de Jair Bolsonaro (sem partido), bolsonaristas e simpatizantes do presidente de República começaram uma onda de ataques a apresentadora Angélica, esposa de Huck.

O ataque escolhido pela turma de Bolsonaro foi relembrar o fato da apresentadora já ter declarado que utiliza vibradores. “O vibrador pode ser um algo a mais no autoconhecimento da mulher, e no conhecimento do homem com você. E hoje a mulher está tendo muito mais voz para exigir prazer”, disse ela em entrevista ao UOL.

Publicando um vídeo de uma pessoa usando um pênis de borracha para bater em uma frigideira (panela), simpatizantes comentaram sobre a vida sexual do casal da Globo.

“Luciano já está batendo panela com o amigo da Angélica?”, escreveu um internauta. “A Angélica já começou o panelaço”, afirmou outro. “Luciano Huck toma brinquedo de Angélica pra usar em panelaço, motiva briga e pedido de divórcio”, também foi dito por uma mulher.

Há quem tenha ficado indignado com o machismo nas publicações. “Huck convoca panelaço, povo diz que Angélica precisa é de um vibrador. Não existe machismo no Brasil”, ironizou uma mulher. “Brincadeira que o Brasil está nesse estado todo de calamidade por causa de políticos corruptos e tem nego se preocupando com vibrador de Angélica”, afirmou outra.

Fonte: catraca livre

Aumenta a fiscalização no trânsito da Avenida Litorânea na capital

A operação é realizada por agentes da SMTT com apoio de viaturas em toda a extensão da avenida

A Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT), intensificou, esta semana, as ações de fiscalização de trânsito na Avenida Litorânea. A ação visa proporcionar maior fluidez e ordenamento ao tráfego da via, bem como garantir a segurança dos frequentadores de um dos principais logradouros públicos da capital.

A ação consiste fundamentalmente na proibição de estacionamento do lado direito da via, sentido Centro-Bairro, Círculo Militar, das 16h às 20h, nos dias úteis. Nos fins de semana e feriados, o estacionamento é liberado com as devidas placas indicativas e acompanhamento dos agentes.

A iniciativa decorre de um convênio realizado entre a Prefeitura de São Luís e o Departamento de Trânsito do Maranhão (Detran), visto que a avenida é uma rodovia estadual. A operação é realizada pelos agentes de trânsito da SMTT com apoio de viaturas em toda a extensão da avenida.

“A questão principal não é só fiscalizar, mas despertar a consciência de respeito mútuo em todos que utilizam o espaço para o lazer e ressaltar que ali existem vários perfis de frequentadores, muitos deles vulneráveis como idosos, crianças, gestantes, pessoas com deficiência e que precisam de segurança para realizar suas atividades durante esse período que compreende entre às 16h e 20h”, explicou o secretário da SMTT, Cláudio Ribeiro.

A ação de fiscalização e ordenamento, que vem sendo realizada de forma pontual na Avenida Litorânea, integra uma das atividades do cronograma de ações de disciplinamento e de educação para o trânsito que será executado pela SMTT.

Capitão do Corpo de Bombeiros é preso suspeito de matar ciclista

Bombeiro suspeito de atropelar ciclista no momento da prisão.
Foto: Agência O Globo

O motorista suspeito de atropelar e matar o ciclista Cláudio Leite da Silva, de 57 anos, foi preso na manhã desta segunda-feira, horas após o crime, por agentes da Corregedoria Interna do Corpo de Bombeiros. O capitão da corporação João Maurício Correia Passos, de 36 anos, chegou à 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes).

A polícia descobriu que João Maurício era o motorista porque foi encontrada, no carro que atropelou o ciclista, uma intimação do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), datada do último dia 6 de janeiro. O documento – de uma audiência de custódia — estava no nome do bombeiro. A assessoria do Corpo de Bombeiros informou que “está à disposição das autoridades que investigam a ocorrência”.

Segundo o delegado Alan Luxardo, titular da 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes), João Maurício foi preso em flagrante. Em um depoimento preliminar na delegacia, o capitão confirmou que estava dirigindo e que atropelou o ciclista. No entanto, negou que estivesse bêbado do momento do acidente. Indagado pelo delegado sobre o motivo da fuga do local, ele afirmou que “temia ser linchado”.

“Ele falou que fugiu por conta de medo de linchamento. Ele tem alguns registros de crimes anteriores. Ele tem um passado problemático e hoje acabou nesse fato lamentável”, disse o policial.

De acordo com Luxardo, João Maurício também confirmou que esteve no posto de gasolina da Avenida Gláucio Gil, onde diz ter comprado um energético. ” Ele disse que estava trafegando e acabou batendo. Mas não lembra o que aconteceu (para causar o acidente). Ele confessou que estava dirigindo. Nós conseguimos saber que ele estava em um posto. Inclusive, já até requisitamos as imagens. Ele confessou que estava lá, mas (diz) que entrou para comprar uma bebida energética e não bebida alcoólica. De qualquer maneira, já fomos ao local buscar essas imagens. Assim como ao local do acidente, justamente para fornecer material probatório para o flagrante”, disse o titular da 42ª DP.  Após sair da delegacia, o capitão dos Bombeiros foi encaminhado para o Instituto Médico-Legal (IML) do Centro do Rio, para fazer exame de alcoolemia.

Delegado cita agressão

Segundo Alan Luxardo, após atropelar o ciclista, o João Maurício fugiu para a casa de um amigo na Rua Professora Souza Leão, a um quilômetro do local do crime. Ele foi preso quando saía da residência, informou o delegado, que citou ainda que contra João existe uma medida protetiva: “De acordo com a Polícia Civil, existe uma medida protetiva contra João. Ele teria agredido a esposa que tem deficiência física. O pai de João Maurício também já foi do Corpo de Bombeiros. Atualmente, ele é coronel reformado”, disse Luxardo.

Atropelamento no fim da madrugada

O atropelamento ocorreu no fim da madrugada desta segunda-feira, por volta das 5h40, na Avenida Lúcio Costa, na altura do Posto 10. Cláudio Leite, que tinha o hábito de pedalar diariamente pela via, morreu no local.

Cláudio estava em uma bicicleta de fibra de carbono e pedalava sozinho quando foi atingido. Segundo testemunhas, o atropelador estava bebendo em um bar, que fica dentro de um posto de conveniência, na Avenida Glaucio Gil, a poucos metros de onde aconteceu o acidente. Antes de atropelar o ciclista, ele bateu em uma Kombi e no meio-fio.

Após atropelar Cláudio, João Maurício fugiu de carro, mas acabou batendo. Ele conseguiu escapar a pé. O Hyundai HB20 que o bombeiro dirigia não poderia estar circulando pelas ruas. Segundo o Detran, o último licenciamento do automóvel é datado de 2018. Ou seja, há mais de dois anos o carro está com a documentação irregular.

Para acessar matéria completa acesse extra.globo.com ou clique aqui

Policial leva travesti a motel e caso vai terminar na delegacia

Travesti conta que, em motel, policial ameaçou matá-la com pistola

Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) investiga ameaças de morte feitas por um policial civil do Pará durante uma orgia com uma travesti e três mulheres cisgêneros em um motel, no setor industrial de Taguatinga Sul, na madrugada dessa quinta-feira (7/1). Assustada, Kaila Melody, 30 anos, procurou a 21ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Sul) para registrar ocorrência após ter ficado sob a mira de uma pistola. A confusão ocorreu no momento de pagar a conta do estabelecimento.

A vítima foi abordada pelo policial quando estava no ponto onde faz programa, nas proximidades da quadra CSG 10, por volta de 19h. Ela estava em companhia de três mulheres quando foi convidada para ir ao motel. Horas depois, as três amigas deixaram o local e a travesti permaneceu na companhia do homem, que chegou a se apresentar como delegado.

Quando o dia amanheceu, Kaila foi avisada pelo cliente que não tinha dinheiro para pagar a estadia no motel nem o programa. Então, o homem lhe entregou um cartão do banco e forneceu a senha e as letras para que ela sacasse a quantia necessária a fim de cobrir os custos da noitada, já que não poderia sair da suíte sem efetuar o pagamento. A travesti foi até a conveniência de um posto de combustível e sacou R$ 980 em um caixa-eletrônico.

Ameaça

Na delegacia, Kaila contou que passou em outro motel, onde costuma deixar suas coisas, e guardou R$ 300, referentes ao seu programa. Em seguida, voltou para quarto do motel e entregou o restante (R$ 680) para o policial civil do Pará. A confusão teve início quando o cliente notou que o valor da conta do motel ficou acima do que ele possuía em mãos.

A travesti narrou que o falso delegado exigiu dela a devolução dos R$ 300 pagos pelo programa e passou a ameaçá-la com uma pistola, dizendo que iria matá-la. O policial pegou a bolsa da vítima, com todos os pertences, atrás do dinheiro. Ele teria pegado dois aparelhos celulares e R$ 80.

No momento em que a funcionária do motel foi ao quarto receber a conta, a travesti gritou para chamar a polícia, porque estava no quarto sendo ameaçada de morte pelo cliente. Alegando ser delegado, o homem conseguiu deixar o estabelecimento após ficar alguns minutos retido na portaria. Instantes depois, a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) chegou ao local e levou a travesti até a delegacia para registrar ocorrência.

O boletim foi registrado como ameaça, e as partes devem ser chamadas para depor nos próximos dias.