Paulo Guedes chama ministro astronauta de “burro”

Paulo Guedes usou o termo “astronauta” para chamar Marcos Pontes de “burro” 

Reportagem da Folha de S.Paulo, desta quarta-feira, 27, publica conversa vazada de uma reunião, na qual o Ministro Paulo Guedes vira sua metralhadora verbal contra o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, que recentemente sofreu um corte significativo no orçamento do ministério. Ao avaliar para os presentes que ‘não falta dinheiro ao governo’, mas gestão, Guedes, conforme a Folha de S.Paulo , elege Pontes como exemplo, adjetivando o colega de “”burro”.

O desabafo do ministro aconteceu em reunião privada, contudo, com vários interlocutores, não só da equipe ministerial, mas ainda da base governista no Congresso Nacional.

Depois de admitir o furo no teto dos gastos, contrariando afirmação do presidente Jair Bolsonaro, para conseguir recursos e bancar o Renda Brasil, o ministro da Economia, Paulo Guedes, anda na corda bamba, mas abrindo a chamada ”caixa de ferramenta” contra, ao que parece, adversários de sua política econômica.

Além da citação nada elogiosa,  Guedes generalizou, chamando os colegas do próprio governo de incompetentes, e disse que “às vezes eu mesmo me pergunto o que estou fazendo aqui.”
O desabafo ocorreu durante encontro com integrantes da comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara dos Deputados, que brigam para ter de volta R$ 600 milhões de recursos retirados do ministério da área. No local estavam deputados da base e de oposição.

Conversa vazada

De acordo com o áudio vazado da reunião, Guedes citou diversas vezes Pontes, sem nomear o ministro, porém chamando-o de astronauta.
Guedes criticou a reclamação sobre o corte nos valores da pasta, dizendo que cerca de 50% da execução orçamentária até agora não foi feita. O ministro reclamou das prioridades do ministério e afirmou que sempre defendeu o investimento em ciência, mas que o dinheiro foi parar em ‘foguetes’. Nesse momento, usou a palavra “burro” para classificar o gestor.
Para ler a matéria completa acesse O Estado de Minas ou clique aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *